Resenha: O Teorema Katherine

Autor: John Green
Editora: instrínseca
Quantidade de páginas: 302

Sinopse: Colin conhece Katherine. Katherine gosta de Colin. Colin e Katherine namoram. Katherine termina com Colin. É sempre assim.
Após seu mais recente e traumático pé na bunda - o décimo nono de sua ainda jovem vida, todos perpetrados por namoradas de nome Katherine- Colin Singleton resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-criança prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, através da linguagem universal da matemática, o desfecho de qualquer relacionamento antes mesmo que as duas pessoas se conheçam.
Uma descoberta que vai entrar para a história vai vingar séculos de injusta vantagem entre Terminantes e Terminados e, enfim, elevará Colin Singleton diretamente ao distinto posto de gênio da humanidade. Também, é claro, vai ajudá-lo a reconquistar sua garota. Ou, pelo menos, é isso o que ele espera.

                                                                      +++
Colin é um garoto completamente exótico. Além de ser nerd, ele é gênio que não faz nada da vida, além de fazer anagramas, decorar coisa e namorar Katherines.
Colin é um menino prodígio, só pensa em estudar. Era solitário, sozinho e estava cansado de levar um pé na bunda toda vez que namorava uma Katherine.
Cansado de ver Colin sofrer, Hassan, o seu único e melhor amigo, o convence a fazer uma viajem de carro, sem rumo e sem destino, e acabam indo parar em uma cidade no interior, chamado de Gutshot. 
Colin e Hassan permanecem nessa cidade, na casa de Hollis, que oferece um emprego na fábrica, onde juntos, trabalham com a sua filha Lindsey.
Como o destino é maravilhoso, Lindsey é a peça chave que estava faltando na vida de Colin.

Eu não acho que seja possível preencher um espaço vazio com aquilo que você perdeu. (...) Não acho que nossos pedaços perdidos caibam mais dentro da gente depois que eles se perdem.


Colin tenta descobrir que o amor pode ser representado por um gráfico matemático. Ele tentou demonstrar por quanto tempo os seus relacionamentos amorosos com as Katherines iriam durar e quem seria o terminante e o terminado da relação. Com esse teorema, ele finalmente conseguiria atingir o seu momento gênio. O único problema é que ele não sabia que esse teorema seria tão difícil quanto ele imaginava. Será que ele conseguiu solucionar esse enigma?


O final desse livro não me causou tanto impacto a quanto o de ‘’A Culpa é das Estrelas’’ e como ‘’Quem é você, Alasca?’’.
É um livro inteligente, com personagens cativantes e é interessante como o John mostra uma grande reflexão, assim como todos os outros livros dele.  Claro, temos que constar que no livro sempre tem aquelas escapadinhas de palavrão né?
Toda vez que tinha um gráfico matemático eu não entendia muito bem, pois sou péssima em matemática, mas isso não atrapalhou na minha leitura, pois ainda sim eu entendia o ponto de vista do autor.

O pedaço que faltava em seu estômago doía demais- ele acabou parando de pensar no Teorema e ficou se perguntando simplesmente como algo que não está lá pode causar tanta dor a alguém.



Recomendo ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Our Constellations - © 2015. Todos os direitos reservados
Template desenvolvido por Fancy Designs
Tecnologia do Blogger| Créditos: Garota no Mundo Html, Jackie Dream e Enjoy Things| △Voltar ao Topo△
imagem-logo