quinta-feira, janeiro 10, 2019

[Filme] Cam


DIREÇÃO: Daniel Goldhaber

ROTEIRO: Isa Mazzei

ELENCO: Madeline Brewer, Patch Darragh, Melora Walters, Devin Druid, Imani Hakim, Michael Dempsey


~~~

Alice (Madeline Brewer) é uma mulher que trabalha com pornografia online usando o pseudônimo de Lola. Almejando chegar ao TOP 50, ela se submete a encenações bizarras para conquistar o seu público (algumas inclusive envolvendo um falso suicídio). Após ir a uma casa especializada de cam girl e fazer uma live com a sua amiga, Lola percebe que não consegue mais entrar em sua conta. Além de ser hackeada, alguém idêntica a ela está fazendo lives e conversando com todos os seus seguidores – e, claro, ganhando dinheiro e subindo no ranking. Lola desesperada corre contra o tempo para descobrir quem está por trás de tudo isso, mas as coisas acabam ficando cada vez mais complicadas e difíceis de serem solucionadas.

Em meio a tons de roxo e rosa vibrantes, Lola entra em uma jogada cibernética perigosa que a coloca em risco.


Não quero dar Spoiler então irei parar por aqui, mas eu teria muitas coisas para falar sobre o enredo.

Durante o filme vemos a flexibilidade incrível da Madeline Brewer ao interpretar a Lola e Alice ao mesmo tempo. Mesmo sendo uma só elas carregam identidades diferentes. A atriz mostrou a face sexy de Lola na frente das câmeras ao mesmo tempo em que conseguiu realçar o jeito despojado e relaxado da Alice no dia a dia. Esse filme foi incrível para a Madeline. Já a vi atuando como uma Aia em The Handmaid’s Tale e eu achei sensacional o seu papel, e ver um filme em que ela é a protagonista só fortalece ainda mais o seu talento – e eu, de verdade, espero vê-la atuando cada vez mais.

Me senti dentro do personagem em muitos momentos do filme. A Lola se dispôs a passar por muitas coisas extremas para chegar cada vez mais perto da sua meta, e as vezes eu ficava agoniada pensando que não iria dar certo. A forma que eu entrei no personagem foi incrível e sabemos que essa foi a intenção.


Fiquei muito contente ao ver que quem escreveu o roteiro foi uma mulher. A Isa Mazzei, pelo que eu andei procurando, também era uma camgirl. Ela mesmo disse que ouviu coisas horríveis durante essa fase da vida dela, então eu creio que essa experiência trouxe uma realidade muito pontual sobre o que acontece dentro desse mundo. Claro, eu sou leiga nesse assunto então não tenho um aprofundamento concreto sobre isso, mas de qualquer forma eu achei tudo o que aconteceu muito sensacional e nada tão fantástico. (A Isa inclusive deu uma entrevista incrível, deixarei no final da resenha).

Não posso deixar de comentar também sobre o diretor, né? Acho que o Daniel não entregou demais nem de menos. Ele soube dosar muito bem o suspense. A todo momento nos perguntávamos "MAS COMO É QUE TA ACONTECENDO ISSO????"

A trama, sem sombras de dúvidas, é muito envolvente e nos deixa intrigado sobre como vai acabar. A pessoa que está por trás disso tudo não é desmascarada, mas acho que se isso acontecesse e mostrasse realmente um 'alguém', perderia a graça (vocês entendem melhor vendo). É um final que deixa aberto para várias possibilidade e interpretações.


ÚLTIMA COISA, prometo (não quero que essa crítica fique longa). Você já parou para pensar em como deve ser a vida de uma camgirl? O que ela faz fora da câmera ou quem ela é? Ela pode ser sua prima ou sua vizinha. Independente disso, você já pensou no que ela passa? Sim, é uma escolha dela entrar nesse mundo, mas isso não significa que ela tenha que ser tratada como  uma put* indigna ou coisa assim. Bem, estou falando disso porque a Alice chegou a ligar para os policiais para ver se eles a ajudavam, mas eles simplesmente olharam para ela e falaram "ah, to nem aí, tenho mais coisa pra fazer". Um policial até chegou a falar alguma coisa como "você sai com os seus clientes? Sabe, se você quiser... Eu tô aqui.", tipo... Gente, ela é uma pessoa como eu e você! Se ela faz isso, não cabe a mim tratá-la como lixo ou como se não sofresse nem sentisse nada. Sabe, eu fiquei muito brava e fiquei com vontade de dar um murro (eu sei que isso não se deve fazer, autoridade e tal). 

TOP 4 ATITUDES ESCROTAS QUE FEZ EU TER VONTADE DE DAR UM MURRO:
1° "Se não quer que isso aconteça, saia disso! Culpa sua"
2° Aquele que dá presente só para atrair a presa. Como não resistir, né?
3° O carente que quer cuidar só porque acha que a mulher é frágil. Awn, certeza que é ela a frágil, meu anjo?
4° O que não sabe respeitar o espaço da mulher e não aceita o "não" e o errado ainda por cima é ela só porque trabalha com isso, né? Tem que aceitar.

Altas doses de ironia por aqui. Sim, fiquei revoltadíssima e vocês nunca me viram assim, pelo menos a Alice me ensinou a ter empatia no meio de tantos comportamentos machistas e abusivos. Hipocrisia, né.

Cam é um thriller que mexe de forma sútil (ou nem tanto) com a nossa consciência. O filme me fez refletir sobre os limites da internet e até que ponto devemos ir com o mundo virtual – sabemos que não é nada confiável. Além disso, a película me fez pensar também sobre a imagem que nós queremos passar para os outros e o que/ quem realmente somos. Fazer determinadas coisas para um outrem realmente vale a pena? Qual é o fim disso tudo? Talvez não exista uma explicação.




Indico muito! Nota: 4,5/5

Entrevista com a roteirista: clique aqui

21 comentários:

  1. Oi, Ana!

    Tenho curiosidade em assistir esse filme, mas não sabia muito o que esperar dele haha ainda bem que li sua resenha, parece ser bom e inclusive próximo da realidade em que vivemos, passando lições nas entrelinhas

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie!
      Verdade, não é apenas um filme, faz a gente refletir! Espero que você assista e goste :)
      Beijos

      Excluir
  2. Oi, Ana!
    Vi algumas pessoas falando sobre esse filme, mas não tinha procurado nada sobre ele. Depois da sua resenha, fiquei curiosa e com bastante vontade de assistir. Foi pra lista!
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ebaaa! Espero que você goste. Irei adorar saber a sua opinião depois.
      Beijos!

      Excluir
  3. Oi Ana, tudo bem?
    Não fazia ideia da existência desse filme.
    Essa atriz é mesmo muito foda e expressiva, em The Handmaid's Tale ela me emocionou em diversos momentos.
    Não sei se assistiria agora, mas gostei de saber mais a respeito. Obrigada pela dica!
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie!
      Também fiquei emocionada com a atuação dela, quis colocar num potinho a personagem dela na série hehe <3 Espero que goste caso assista! E de nada :)
      Beijos

      Excluir
  4. Olá, Ana.
    Nunca tinha ouvido falar desse filme e já quero assistir. Está bem fora da minha zona de conforto, mas gosto de me desafiar de vez em quando hehe,.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se desafiar é bom mesmo! Também não é um filme que estou muito habituada a ver, mas foi bom a experiência :)

      Excluir
  5. Oi, Ana! Tudo bem?

    Eu sou péssima com filmes porque quase nunca assisto e nem acompanho, então, acho que por isso, não tinha ideia deste filme. E claro, é um assunto que sai da minha zona de conforto, mas fiquei bem curiosa. De verdade. Adorei saber que a roterista é uma mulher, sabemos o quanto isso é importante. Mas adorei ainda mais o fato de você levantar a questão de que independente do que a protagonista faz, ela ainda é um ser humano e sabemos que nossa sociedade não vê assim. Vou, realmente, tentar assistir o filme.

    Obrigada pela dica. Sem você, eu provavelmente nem saberia da existência dele.

    Beijos,
    Blog Magia é Sonhar
    Canal Magia é Sonhar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie!
      Aí que bom saber que a resenha fez você conhecer o filme, sério! Eu espero muito que você goste dessa minha dica, adoraria saber a sua opinião depois! Obrigada pelo comentário.
      Beijos!

      Excluir
  6. Oi Ana!
    Caramba, parece pesado. Confesso que nunca ouvi falar e não me senti muito atraido pela trama. Apesar dos pontos positivos, o estilo do filme não me agrada muito.

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie!
      Uma pena que não seja seu estilo :( Mas está tudo bem, claro! hahaha

      Excluir
  7. Oi, Ana

    Obrigada por essa crítica, era o empurrãozinho que faltava para eu assistir.
    Eu vi o filme no catálogo da Netflix e fiquei naquela "vejo ou não vejo", então foi muito bom conhecer um pouco mais a história e a entrega da atriz. Gostei de saber que tem uma pegada de thriller e que ainda aborda essa persona cibernética que muitas pessoas criam. Anotado!

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie!
      Hahah por nada! Eu espero muito que você veja e goste, ainda bem que deu um empurrãozinho. Depois me conte o que achou (:
      Beijos

      Excluir
  8. Salut, Ana!

    Eu ameeei esse filme, sério. Me senti agoniada do inicio ao fim? Sim, mas foi muito bom!

    Talvez a gente se esbarre pelo cosmo!
    www.umminutoparaocosmo.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie!
      Exatamente hahah Mas é uma agonia super compreensiva!

      Excluir
  9. Oi, Ana
    Eu achei por um momento um enredo muito estranho kkk mas se você curtiu e a atriz está fantástica, acho uma boa dar uma chance.

    Beijo!
    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, acho que esse filme merece uma chance sim, isso aí! hahaha

      Excluir
  10. Oi Ana, tudo bem?
    Gostei muito da maneira como você conduziu sua resenha, nos contando sua experiência com o filme. Ficou ótimo.
    Bjus

    ResponderExcluir

Our Constellations - © 2015. Todos os direitos reservados
Template desenvolvido por Fancy Designs
Tecnologia do Blogger| Créditos: Garota no Mundo Html, Jackie Dream e Enjoy Things| △Voltar ao Topo△
imagem-logo