sexta-feira, janeiro 04, 2019

[Resenha] O Sonho de Lucas


Livro: O Sonho de Lucas
Autor: Marcelo Vinícius
Páginas: 116
Ano: 2018

Sinopse: A história divide-se em duas partes. A primeira é uma narrativa em terceira pessoa; e a segunda é em primeira pessoa, na qual esta se passa por meio do olhar de um jovem chamado Lucas, estudante que sonha em cursar faculdade e cuja vida familiar está em decadência.

Lucas fica arrasado quando sua mãe, Kátia Fernandes, separa-se de seu padrasto, surgindo, a partir daí, dificuldades financeiras para que pudesse completar seus estudos. Esse fato — entre outros — provoca, ainda, turbulências na relação com uma garota que ele conhece na internet, Caroline, e que, por motivos absurdos e beirando à loucura, nem sequer conseguem se encontrar no local combinado, para se conhecerem pessoalmente. 

Ele, então, procura superar determinados problemas, os quais aparentam se resolver; porém, há ainda muitos desafios pela frente, como lidar com uma inesperada doença angustiante de sua irmã Melissa e de sua mãe. 

Lucas é sinônimo de luta pela realização de seus sonhos por meio das experiências que passa na vida, que retrata os conflitos emocionais pelos quais passam muitos jovens; no entanto, O sonho de Lucas narra também a história de uma família que está de ponta-cabeça, como uma metáfora das contradições e dos dilemas de uma classe cujo poder, status e domínio social se constroem em cima do sofrimento humano.

~~~

Inicio essa resenha com Ana Rita Ferraz, a responsável pelo prefácio que encontramos nas primeiras páginas do livro O Sonho de Lucas. “Marcelo não mente. Não oferece garantias para saída segura do labirinto. Não há saídas, assim como não há entradas. Ou, por outro modo, são múltiplas as saídas, são infindáveis as entradas. Este é um livro de paradoxos.”
O inferno de Sartre, as sombras de Platão, as almas de Dante, as histéricas de Freud, o jovem Werther de Goethe, o inseto de Kafta, o Raskólnikov de Dostoiévski, esses seres errantes, malditos... Fujam de mim, malditos!
Paradoxal. Sócrates dizia para questionarmos tudo ao nosso redor e eu acho que fiz isso nesse livro. O que é real? A confusão entre o que é verdade ou imaginação só deixa a leitura ainda mais interessante. A narrativa do Marcelo me deixou tão confortável durante a história que eu tive um comodismo, mas esse conforto durou somente algumas páginas, pois conforme as palavras eram lidas eu me deparava com a minha verdade se desmanchar. E foi assim durante todo o livro. Verdade absoluta? Sinto que não há.


Lucas vive com a sua irmã Melissa, sua mãe Katia e o seu padrasto – na verdade a mãe de Lucas é uma amante. Elton, seu padrasto, desaparece sem alguma explicação plausível e é a partir daí que as coisas começam a desandar. Lucas percebe uma responsabilidade cair em suas costas em relação às condições financeiras, que estão cada vez mais precárias, e uma preferência da mãe pela sua irmã Melissa (o que claramente deixa o nosso protagonista pensativo). Em meio a devaneios, pensamentos cobertos de ecos e sonhos que beiram o inusitado, encontramos uma mente delirante.

O sonho de Lucas pode ser analisado de forma ambígua. Temos a aspiração por algo – no caso de Lucas é entrar na faculdade de Medicina – e também a parte freudiana, o ato de sonhar. Nesse caso, me identifiquei muito com a última análise. A minha noite é constantemente marcada por sonhos – óbvio que não são tão problemáticos como o de Lucas –, mas quantas vezes me peguei pensando em uma explicação para determinado devaneio? Como o significado de sonhar que está acordando quando na verdade não está, por exemplo. Qual o significado disso? Há uma coerência para as coisas acontecerem? Qual o porquê de sonhar que a mãe está morrendo? É vitalidade ou falência?

Há uma incerteza durante a narrativa sobre o que está definitivamente acontecendo e o que é um sonho de Lucas, e essa dúvida foi escrita de uma maneira muito delicada, porém com uma veracidade que nos preenche de reflexões. A narrativa faz uma distinção bem clara sobre o que é sonho e o que não é, mas isso não significa que eu não fui enganada, pelo contrário. Começava um capítulo acreditando em determinada coisa, mas no final da página era surpreendida por “então acordei”, e essa foi uma experiência interessante.
Então... Lucas acordou, mas ainda era madrugada. O frio da noite estava ali; aquele sono adormecido pela chuva na janela, que causara um estado febril em Lucas, estava também li. Assim, ele apertou os braços, oprimiu os lábios com a boca em fogo, se apertou convulsivamente, tentando sufocar a lembrança do sonho.
O cenário criado por Marcelo é simples e sem muito detalhes. A escrita dele é direta, indo logo no objetivo. Entretanto, a objetividade na escrita não nos poupa da subjetividade em relação ao que os personagens realmente têm e são. Talvez tenha uma pitada de esquizofrenia, depressão ou ansiedade. Não sabemos ao certo porque o livro não há rotulações e isso torna a história ainda mais cativante. A diferença entre a primeira e segunda pessoa na escrita não deixou a narrativa confusa, pelo contrário, a minha leitura com esse livro foi tão fluída que não tive problema algum com isso.

Poderia dizer que o livro é quase um ciclo. Quando cheguei ao final tive a impressão de estar lendo o primeiro capitulo e, realmente, há similaridades. Posso dizer então que o final se tornou um recomeço? Acho que sim.


Fiquei muito surpresa com esse livro. Foram 114 páginas lidas em um dia com muita curiosidade. Indico para quem gosta de leituras enigmáticas e com uma pitada de psicologia. Não espere certezas claras pois buscar o concreto talvez traga ainda mais dúvidas.

Onde comprar: Loja Multifoco

34 comentários:

  1. Parece ser um livro realmente bom, nunca tinha ouvido falar mas que bom que gostou! Achei interessante que comparou sua história com um ciclo.

    Iasmin Guimarães | E agora?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito interessante mesmo essa parte do ciclo, confesso que essa foi uma surpresa enorme no final.

      Excluir
  2. Gente, só 114 páginas e isso tudo???? Realmente vale a pena a leitura!
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Bem que poderia ter tido mais páginas, mas tudo bem hehe

      Excluir
  3. Oi, Ana!
    Caramba, não imaginava que o livro era tão curtinho com todo esse conteúdo haha
    Confesso que esse não é um tema que me chamou a atenção, mas gostei bastante da sua resenha.
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
  4. Oi, Ana
    Eu não sabia que o livro era todo engenhoso assim, ainda mais pelas quantidades de páginas. Não sei se leria, mas anotei a dica!

    Beijo
    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, é surpreendente o número de páginas e o conteúdo. Bem que poderia ter mais que 114 haha
      Beijos

      Excluir
  5. Oi Ana!
    Caramba, bem curto o espaço do autor de trabalhar tudo hein. So esse pouco de pagina. Nunca ouvi falar da obra, mas nao fas muito meu estilo, embora curto. Quem sabe um dia.

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, ele soube trabalhar bem o tema em apenas 114, é surpreendente haha

      Excluir
  6. Olá, Ana.
    Eu não conhecia o livro ainda e achei o enredo interessante. Eu gosto de ler livros assim que somos enganados pelo narrador, onde não sabemos se é realidade ou não. Mas não sei se leria esse.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também adoro! Dá uma emoção haha Não custa anotar a dica!! :)

      Excluir
  7. Uma leitura leve e simples mas carregada de grandes ensinamentos e questionamentos. Achei mega interessante. Nunca tinha ouvido falar desse livro. Adorei a indicação!

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  8. Ei Ana! Tudo bem?
    Nunca tinha ouvido falar do livro. Esse sentimento que nós temos com os sonhos e seus significados poderia até mesmo ser chamado de crença, de tão inclinados que ficamos para saber se aquilo ali é real ou não. Se misturando com o que chamamos de premonições, acho. Até mesmo para aqueles que não são muito dotados de análises filosóficas - embora saibamos que fazemos isso o tempo todo -, são surpreendidos por esses questionamentos.
    O livro é tão pequenino e, pelo o que você disse, trás uma reflexão tão grande... Gostaria de lê-lo, qualquer dia desses.

    www.nerdabsoluta.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie! Tudo e com você?
      É verdade, esse negócio do sonho é uma coisa que me deixa encantada pois alguns sonhos não fazem sentido, mas no fundo eu creio que tem um significado. É doido demais haha
      Acho que você irá gostar!

      Excluir
  9. Oi Ana,
    Não conhecia a obra!
    Um livro pequeno para a quantidade de temáticas abordadas né? Acho que deve ser uma obra bem intensa.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ale!
      É bem intensa mesmo. É peculiar, mas interessante.
      Beijos

      Excluir
  10. Oi, Ana!

    Apesar do livro possuir poucas páginas, parece mexer bastante com o leitor, trazendo a dúvida do que é real e o que é sonho. Achei bem interessante a história, desejo muito sucesso ao autor!

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Parece ser um livro muito bom, não conhecia ainda.
    Achei interessante.
    Beijos
    https://recolhendopalavras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Adorei a resenha, o livro realmente parece ser incrivel, eu ainda nao tinha ouvido falar sobre. Adorei seu blog que ja estou seguindo bjs bjs https://beperes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Olá,

    Não conhecia o livro, parece ter uma premissa muito interessante, mas confesso que não me atraiu a ponto de ler. Mas gostei de conhecer mais da obra!
    Bjs e um bom fim de semana!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que pena! Mas ainda bem que pelo menos conheceu!
      Beijos

      Excluir
  14. Oie Ana =)

    Nem sempre quantidade de páginas garante uma história boa. Às vezes livros menorzinhos conseguem ter uma história que nos marca e surpreende, e pelo visto é o que acontece aqui.

    Não conhecia o livro e nem o autor, mas achei a premissa da obra tocante e interessante.

    Uma ótima semana para você!
    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie!
      É exatamente isso. Não ligaria se tivesse mais páginas, mas com 114 o autor já soube marcar o leitor :)
      Beijos!

      Excluir
  15. Oi Ana, tudo bem?
    Adorei sua análise do livro. A sinopse por si só não me chamou a atenção, mas suas reflexões sobre a obra e os aspectos psicológicos dela me deixaram instigada.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fico feliz que você tenha ficado curiosa! Obrigada.
      Beijos

      Excluir
  16. Olá!

    Ainda não conhecia esse livro. A premissa dele é muito bacana, estou procurando leituras assim para 2019. Já vou anotar a dica

    Seu blog é maravilhoso. Já ganhou mais uma seguidora.

    bjs

    ResponderExcluir
  17. Ainda não conhecia esse livro, mas nem preciso dizer o quanto fiquei curiosa para conhecê-lo, não é? Amei a premissa, parece ser uma leitura que vale muito a pena!

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh, que bom que ficou curiosa! Vale a pena dar uma chance!!

      Excluir

Our Constellations - © 2015. Todos os direitos reservados
Template desenvolvido por Fancy Designs
Tecnologia do Blogger| Créditos: Garota no Mundo Html, Jackie Dream e Enjoy Things| △Voltar ao Topo△
imagem-logo